Apropriações do (In)comum – Parte 3, 03/05

Cidade e Mobilidade

A cidade constitui-se, historicamente, como lugar de mobilidade e fxação, desde as primeiras organizações sociais que se formaram como lugar de culto aos mortos, as “necrópoles” (Mumford, 1998)

– Sensity, projeto de mapeamento do conhecido artista Stanza:
http://www.stanza.co.uk/sensity/index.html

– Flagr: o território do beduíno high-tech não é o deserto, mas o território informacional.
http://www.flagr.com

http://www.mobilemusicworkshop.org/

Dodgeball: . http://www.dodgeball.com/
O sistema permite que o usuário mande SMS para uma lista de amigos cadastrados dizendo onde ele está em um determinado momento. Assim, pessoas de sua lista de amigos que estiverem por perto podem ter a oportunidade de encontrá-lo.
[Editado] Este  sistema não conseguiu se esquivar do google. Foi comprado em 2005 e descontinuado em 2009 se tranformando no Google Latitude http://www.google.com/intl/en_us/latitude/

– Wi-Fi Livre! http://www.wifilivre.com.br
O que é WIFI LIVRE ?

É um portal que divulga os locais onde existe acesso gratuito a internet com conexão sem fio. Aqui você pode criar o hotsite do seu estabelecimento, GRATUITAMENTE, basta você dar acesso wi-fi ! Não somos provedor de acesso. Nosso objetivo é mapear todos os locais onde existe acesso sem fio gratuito.

– Digital Oracle: http://www.digitaloracles.com.br/
E para quem quiser saber mais sobre esses oráculos digitais, segue o link para o artigo: http://www.digitaloracles.com.br/digitaloracles-port.pdf

– Locative Painting: Crie as suas pinceladas online através da sua locação.
http://www.locativepainting.com.br/

A primeira mobilidade é aquela que compreende o homem como um ser da locomoção, sendo que a cidade o transforma naquele que experimenta tudo pelo olhar, daí a fgura do estrangeiro em Simmel, que vê tudo de fora. Transforma-se, com a cidade moderna, a experiência do «ouvir» (aqueles que contam algo, nas pequenas cidades e no meio rural), naquela do «ver», do que está agora desabrochando em uma «foresta de signos» (Baudelaire) diante dos «olhos».A segunda mobilidade urbana é aquela da mobilidade social e do lugar de habitação. O habitante da cidade moderna se desloca constantemente e pode trocar de status e de papel social pela educação, pela profssionalização, pelo enriquecimento… A terceira é a que Simmel chama de mobilidade semdeslocamento, a mobilidade que cria uma massa, a mobilidade social pela moda que nos faz aderir ao comum e ao mesmo tempo nos diferenciar. Talvez possamos, como hipótese, pensar hoje em uma quarta mobilidade, que é a mobilidade informacional, como uma capacidade cognitiva de deslizamento por bens simbólicos, por mensagens, por informações.

Fonte: Apropriações do (In) Comum – Espaço Público e Privado em Tempos de Mobilidade

0 Responses to “Apropriações do (In)comum – Parte 3, 03/05”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Início

Linguagens Contemporâneas:

Design e Mobilidade

A disciplina de Linguagens Contemporâneas, do curso de Design da UNESP de Bauru, ministrado pelo Professor Dorival Campos Rossi, é o ponto de partida para uma investigação sobre a cibercultura, a Net Art e todas as outras formas de expressão hipertextual, seja ela real ou virtual.
Acompanhe nossas atualizações!

Junte-se a 15 outros seguidores

Páginas

LC no Flickr

DSC_0086

DSC_0085

DSC_0082

DSC_0077

DSC_0073

Mais fotos

RSS Twitter @bauruhaus

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Blog Stats

  • 38,343 hits

%d blogueiros gostam disto: